Política

de 8043 para 7500 novos vereadores

Postado em Atualizado em

Não tem jeito mesmo, já que sobrou dinheiro e farra, vamos colocar mais gente. Seriedade? Pense! Ano eleitoral. Você vai escolher seu prefeito, seus vereadores. Quantas matérias transitam nesta velocidade no congresso? Parabéns só para o STF.

Por outro lado que empresa administraria como o governo e seria bem sucedida? Administração Pública? Estamos entre os países que mais cobram impostos, e não duvido se for um dos que menos recebem retorno dele. Bem, com a minha indignação registrada posto na íntegra a notícia para vocês. Gostaria que o Danilo Gentili, aquele do CQC, fizesse o teste de honestidade em Brasília. Não dá nem enjoy pra falar enjoy hoje.

28/05/2008 – 09h48min – fonte cabeça de cuia e Isabel Braga – O Globo

A Câmara dos Deputados aprovou ontem, por 419 votos a 8, a emenda constitucional que aumenta em cerca de 7.500 as vagas de vereadores no Brasil. Os parlamentares agora correm contra o tempo para também aprovar a emenda no Senado antes do dia 30 de junho. Assim, será válida já para as eleições deste ano.

A emenda ainda terá que ser votada em segundo turno na Câmara antes de ir ao Senado, também para votação em dois turnos. Desde 2004, quando o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) cortou mais de 8 mil vagas de vereadores, os parlamentares – por pressão dos vereadores – tentam recompor as vagas.

O argumento principal, usado pelos deputados para justificar a necessidade de mudanças na lei, é que o TSE reduziu o número de vereadores, mas não mexeu no repasse de recursos às Câmaras. A Constituição federal prevê atualmente o repasse de 5% a 8% da receita total do município, variando de acordo com o número de habitantes. A proposta votada ontem modifica o repasse de dinheiro, que passa a ser de 2% a 4,5% da receita total do município.

Com menos vereadores e mais dinheiro, muitas Câmaras reformaram prédios, compraram cadeiras de massagem, trocaram as frotas de carros, numa verdadeira farra com o dinheiro público. Com a nova regra, o deputado Vitor Penido (DEM-MG), relator da emenda, garante que haverá uma redução dos gastos das prefeituras com as Câmaras de Vereadores.

A proposta votada ontem foi relatada por Penido em nome da Frente Parlamentar Municipalista. Inicialmente, o deputado defendia, além do corte no repasse de recursos, uma redução mais drástica que a feita pelo TSE em 2004. Houve, no entanto, muita resistência a esse ponto da proposta, e ele acabou cedendo e elaborando um novo texto, com a criação das cerca de 7,5 mil vagas.

Câmaras terão entre nove e 55 vereadores

O texto estabelece, de acordo com a população, um mínimo de 9 vereadores (para municípios de até 15 mil habitantes) e um máximo de 55 vereadores (para municípios com mais 8 milhões de habitantes). O município do Rio de Janeiro, que hoje tem 50 vereadores, passará a ter 51.

No caso dos tetos para o repasse de verba, foram criadas cinco faixas: 4,5% para municípios com receita anual até R$30 milhões; 3,75% para os com receita entre R$30 milhões e R$60 milhões; 3,5% para receitas entre R$60 milhões e R$120 milhões; 2,75% para receita entre R$120 milhões e R$200 milhões; e 2% para municípios com renda superior a R$2 milhões. Segundo Penido, a economia com a mudança nos percentuais deverá girar em torno de R$1,2 bilhão.

– Há o aumento de vagas, mas, com o corte no repasse, haverá redução de R$1,2 bilhão nos gastos das prefeituras com as Câmaras, a partir de 2009. Vão reduzir as mordomias – disse Penido.

Segundo ele, hoje o gasto das prefeituras com os Legislativos é de cerca de R$6 bilhões. Em 2004, foram eleitos 51.748 vereadores em todo o Brasil. De acordo com dados repassados pelos deputados, as novas faixas previstas na emenda aprovada ontem elevam o número para 59.514 vereadores. Na emenda aprovada ontem, foi retirado o parágrafo que limitava em 70% os gastos máximos das Câmaras com salários dos servidores e dos vereadores.

Fonte: Isabel Braga – O Globo

8043 – tira, põe, deixa ficar!

Postado em Atualizado em

Parabéns a jornalista Renata Giraldi. Gostaria de reproduzir aqui a matéria toda, mas você pode acessar ela na íntegra aqui, na folha on-line, permita-me resumir o que me chamou mais a atenção: – Em 2004, uma resolução do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) extingüiu com 8.528 cadeiras de vereadores em todo país. A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira, (27/05) em primeiro turno, a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) que aumenta de 51.748 para 59.791 o número de vereadores. hum… será que entendemos?


Ilustração – junião

Jó não tinha escravos e ninguém joga caxangá!

!Eis aí um mistério. A folclorista Fernanda Macruz, do Museu do Folclore, em São Paulo, passou cinco anos pesquisando o tema e não chegou a uma conclusão. Dos 120 jogos que estudei, esse foi o único cuja origem não descobri, lamenta. A brincadeira é simples: consiste em bater um objeto na mesa a cada sílaba da música e passá-lo para a pessoa ao lado na roda. Mas a letra é uma salada. O Jó citado é o personagem do Antigo Testamento que foi posto à prova por Deus e perdeu tudo o que tinha, exceto a fé. Só que o livro sagrado não diz em nenhum momento que o paciente Jó tivesse escravos. E, mesmo se tivesse, eles certamente não jogavam caxangá, que não é jogo nenhum. A palavra pode vir do tupi caa çanga, que significa reunião de rezadores, intriga-se Fernanda. Aparentemente, a letra foi tão modificada pelo tempo que perdeu o sentido. Em tempo: ninguém faz idéia de quem seja o Zé Pereira. – fonte superinteressante

Meu espanto é que faltaram 485 cadeiras para igualar ao número de cadeiras antes de 2007. Por outro lado, hoje pode ter segundo turno. Boa matéria para o CQC- Enjoy

Dilma Rouseff – Painel em Joinville

Postado em

dilma rouseff

Hoje pela manhã esteve em Joinvile a Ministra Chefe da Casa Civil Dilma Roussef num Painel Promovido pela RBS. O Painel foi dividido em 3 blocos. Um resumo que quero compartilhar é que Santa Catarina tem idéias mas não tem projetos. Hummm… entendi… mas quem é responsável pelos projetos? Um bom tema para discussão. Reparei que ela estava tão afinada no discurso que só podia ter sido ensaiado, mas trouxe excelentes perspectivas. Para os especuladores é impossível separar este evento de um possível palanque eleitoreiro, mas no momento, prefiro recolher-me a minha insignificância sobre este tema.

Ponto pra RBS que fez um brilhante trabalho editorial. TVcom, ClickRBS, Diário Catarinense, AN Capital e CBN Diário em sincronia total.

Resumo do evento: [não do conteúdo]

A primeira edição do Painel RBS em Santa Catarina, no dia 5 de maio, debateu os “Desafios para o Crescimento de Santa Catarina”. Realizado em Joinville, no Teatro Juarez Machado, o debate contou com a participação da Ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff.

 

O programa foi dividido em três blocos, sendo que no primeiro e segundo a convidada foi sabatinada pelos jornalistas do Grupo RBS Cláudio Prisco, Cláudio Loetz e Moacir Pereira. A mediação ficou a cargo de Mário Motta.

 

No terceiro e último bloco, a entrevista foi conduzida por empresários de destaque da economia catarinense. Participaram do evento o presidente da Federação das Indústrias de Santa catarina (Fiesc), Alcantaro Corrêa, o presidente do Conselho de Administração da WEG, Décio Silva, a presidente da Dudalina, Sônia Hess, e o presidente da Associação Comercial e Industrial de Joinville (Acij), Udo Döhler. A platéia foi composta de cerca de 500 pessoas, entre empresários, lideranças e convidados de todo o Estado. Fonte: ClicRBS

 

assista aqui o painel na íntegra 

Enjoy e PAC PAC